Pense nisso...

“Ensinar é dar condições ao aluno para que ele se aproprie do conhecimento historicamente construído e se insira nessa construção como produtor de conhecimento. Ensinar é ensinar a ler para que o aluno se torne capaz dessa apropriação, pois o conhecimento acumulado está escrito em livros, revistas, jornais, relatórios, arquivos. Ensinar é ensinar a escrever porque a reflexão sobre a produção de conhecimento se expressa por escrito.”

GUEDES, PAULO COIMBRA,; SOUZA, JANE MARI de. Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português. In: Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. 9 ed. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS, 2011.

sábado, 15 de junho de 2013

sexta-feira, 14 de junho de 2013

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM:

Crônica – O Lixo de Luís Fernando Veríssimo

O que o aluno poderá aprender com esta aula
• Ler, compreender e interpretar o texto.
• Refletir sobre a crítica contida no texto.
• Conhecer as características de uma crônica.
• Analisar o uso dos pronomes de tratamento.
• Produzir um diálogo dando continuidade à história
Duração das atividades
2 aulas de 50 minutos
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno
• Habilidades básicas de leitura;
• Características do gênero textual: crônica
• Uso dos pronomes de tratamento
Estratégias e recursos da aula
• Cópia da crônica “O lixo” de Luís Fernando Veríssimo para os alunos
1ª AULA

Antes de iniciar a leitura da crônica “O lixo” de Luís Fernando Veríssimo, converse com os alunos sobre o autor, conte um pouco sobre sua a vida e sua obra. Você encontra informações sobre o autor no site: 
http://www.releituras.com/lfverissimo_bio.asp

É interessante também levar para sala de aula alguns livros do autor, que podem ser selecionados na biblioteca da escola. Assim, os alunos poderão depois levá-los para casa e se deliciarem com as divertidas crônicas de Veríssimo.

Depois, escreva no quadro o título da crônica “O lixo” e faça um levantamento de hipóteses com os alunos sobre o que este texto tratará. Anote no quadro as hipóteses dos alunos.

Em seguida, distribua o texto e peça aos alunos que façam uma leitura silenciosa. Escolha dois alunos para representarem os personagens da crônica e um para ser o narrador. Observe a entonação e o uso dos sinais de pontuação.
PROFESSOR: Saiba um pouco mais sobre o gênero:
O gênero textual crônica (Heloisa Amaral* )
A palavra “crônica”, em sua origem, está associada à palavra grega “khrónos”, que significa tempo. De khrónos veio chronikós, que quer dizer “relacionado ao tempo”. No latim existia a palavra “chronica”, para designar o gênero que fazia o registro dos acontecimentos históricos, verídicos, numa seqüência cronológica, sem um aprofundamento ou interpretação dos fatos. Como se comprova pela origem de seu nome, a crônica é um gênero textual que existe desde a Idade Antiga e vem se transformando ao longo do tempo. Justificando o nome do gênero que escreviam, os primeiros cronistas relatavam, principalmente, aqueles acontecimentos históricos relacionados a pessoas mais importantes, como reis, imperadores, generais etc.
A crônica contemporânea é um gênero que se consolidou por volta do século XIX, com a implantação da imprensa em praticamente todas as partes do planeta. A partir dessa época, os cronistas, além de fazerem o relato em ordem cronológica dos grandes acontecimentos históricos, também passaram a registrar a vida social, a política, os costumes e o cotidiano do seu tempo, publicando seus escritos em revistas, jornais e folhetins. Ou seja, de um modo geral, importantes escritores começam a usar as crônicas para registrar, de modo ora mais literário, ora mais jornalístico, os acontecimentos cotidianos de sua época, publicando-as em veículos de grande circulação.
Os autores que escrevem crônicas como gênero literário, recriam os fatos que relatam e escrevem de um ponto de vista pessoal, buscando atingir a sensibilidade de seus leitores. As que têm esse tom chegam a se confundir com contos. Embora apresente característica de literatura, o gênero também apresenta características jornalísticas: por relatar o cotidiano de modo conciso e de serem publicadas em jornais, as crônicas têm existência breve, isto é, interessam aos leitores que podem partilhar esses fatos com os autores por terem vivido experiências semelhantes.
As características atuais do gênero, porém, não estão ligadas somente ao desenvolvimento da imprensa. Também estão intimamente relacionadas às transformações sociais e à valorização da história social, isto é, da história que considera importantes os movimentos de todas as classes sociais e não só os das grandes figuras políticas ou militares. No registro da história social, assim como na escrita das crônicas, um dos objetivos é mostrar a grandiosidade e a singularidade dos acontecimentos miúdos do cotidiano.
Ao escrever as crônicas contemporâneas, os cronistas organizam sua narrativa em primeira ou terceira pessoa, quase sempre como quem conta um ca so, em tom intimista. Ao narrar, inse rem em seu texto trechos de diálogos, recheados com expressões cotidianas.
Escrevendo como quem conversa com seus leitores, como se estivessem muito próximos, os autores os envolvem com reflexões sobre a vida social, política, econômica, por vezes de forma humorística, outras de modo mais sério, outras com um jeito poético e mágico que indica o pertencimento do gênero à literatura.
Assim, uma forte característica do gênero é ter uma linguagem que mescla aspectos da escrita com outros da oralidade. Mesmo quando apresenta aspectos de gênero literário, a crônica, por conta do uso de linguagem coloquial e da proximidade com os fatos cotidianos, é vista como literatura “menor”. Ao registrar a obra de grandes autores, como Machado, por exemplo, os críticos vêem em seus romances como as verdadeiras obras de arte e as crônicas como produções de segundo plano. Essa classificação como gênero literário menor não diminui sua importância. Por serem breves, leves, de fácil acesso, envolventes, elas possibilitam momentos de fruição a muitos leitores que nem sempre têm acesso aos romances.
No Brasil, a partir da segunda metade do século XIX, muitos autores famosos passaram a escrever crônicas para folhetins. Coelho Neto, José de Alencar, Machado de Assis estavam entre aqueles que sobreviviam do jornalismo enquanto criavam seus romances.
Os cronistas, atualmente, são numerosos e costumam ter, cada um deles, seus leitores fiéis. Hoje, os cronistas nem sempre são romancistas que escrevem crônicas para garantir sua sobrevivência. Há aqueles que vêm do meio jornalístico ou de outras mídias, como rádio e TV. Por isso, a publicação do gênero também ocorre em meios diversificados: há cronistas que lêem suas crônicas em programas de TV ou rádio e outros que as publicam em sites na internet.
Pelo fato dos autores serem originários de diferentes campos de atividade e de publicarem seus textos em várias mídias, as crônicas atuais apresentam marcas dessas atividades. Por isso, há, atualmente, diferentes estilos de crônicas, associados ao perfil de quem as escreve. Todos os estilos, porém, acabam por encaixar-se em três grandes grupos de crônicas: as poéticas, as humorísticas e as que se aproximam dos ensaios. Estas últimas têm tom mais sério e analisam fatos políticos, sociais ou econômicos de grande importância cultural.
*Heloísa Amaral é mestre em educação, autora do Caderno do Professor - Orientação para produção de textos - Pontos de vista
Fonte: 
http://escrevendo.cenpec.org.br/ecf/index.php?option=com_content&task=view&id=942


TEXTO
O lixo
Luís Fernando Veríssimo
Encontram-se na área de serviço. Cada um com seu pacote de lixo. É a primeira vez que se falam.
- Bom dia...
- Bom dia.
- A senhora é do 610.
- E o senhor do 612
- É.
- Eu ainda não lhe conhecia pessoalmente...
- Pois é...
- Desculpe a minha indiscrição, mas tenho visto o seu lixo...
- O meu quê?
- O seu lixo.
- Ah...
- Reparei que nunca é muito. Sua família deve ser pequena...
- Na verdade sou só eu.
- Mmmm. Notei também que o senhor usa muito comida em lata.
- É que eu tenho que fazer minha própria comida. E como não sei cozinhar...
- Entendo.
- A senhora também...
- Me chame de você.
- Você também perdoe a minha indiscrição, mas tenho visto alguns restos de comida em seu lixo. Champignons, coisas assim...
- É que eu gosto muito de cozinhar. Fazer pratos diferentes. Mas, como moro sozinha, às vezes sobra...
- A senhora... Você não tem família?
- Tenho, mas não aqui.
- No Espírito Santo.
- Como é que você sabe?
- Vejo uns envelopes no seu lixo. Do Espírito Santo.
- É. Mamãe escreve todas as semanas.
- Ela é professora?
- Isso é incrível! Como foi que você adivinhou?
- Pela letra no envelope. Achei que era letra de professora.
- O senhor não recebe muitas cartas. A julgar pelo seu lixo.
- Pois é...
- No outro dia tin ha um envelope de telegrama amassado.
- É.
- Más notícias?
- Meu pai. Morreu.
- Sinto muito.
- Ele já estava bem velhinho. Lá no Sul. Há tempos não nos víamos.
- Foi por isso que você recomeçou a fumar?
- Como é que você sabe?
- De um dia para o outro começaram a aparecer carteiras de cigarro amassadas no seu lixo.
- É verdade. Mas consegui parar outra vez.
- Eu, graças a Deus, nunca fumei.
- Eu sei. Mas tenho visto uns vidrinhos de comprimido no seu lixo...
- Tranqüilizantes. Foi uma fase. Já passou.
- Você brigou com o namorado, certo?
- Isso você também descobriu no lixo?
- Primeiro o buquê de flores, com o cartãozinho, jogado fora. Depois, muito lenço de papel.
- É, chorei bastante, mas já passou.
- Mas hoje ainda tem uns lencinhos...
- É que eu estou com um pouco de coriza.
- Ah.
- Vejo muita revista de palavras cruzadas no seu lixo.
- É. Sim. Bem. Eu fico muito em casa. Não saio muito. Sabe como é.
- Namorada?
- Não.
- Mas há uns dias tinha uma fotografia de mulher no seu lixo. Até bonitinha.
- Eu estava limpando umas gavetas. Coisa antiga.
- Você não rasgou a fotografia. Isso significa que, no fundo, você quer que ela volte.
- Você já está analisando o meu lixo!
- Não posso negar que o seu lixo me interessou.
- Engraçado. Quando examinei o seu lixo, decidi que gostaria de conhecê-la. Acho que foi a poesia.
- Não! Você viu meus poemas?
- Vi e gostei muito.
- Mas são muito ruins!
- Se você achasse eles ruins mesmo, teria rasgado. Eles só estavam dobrados.
- Se eu soubesse que você ia ler...
- Só não fiquei com eles porque, afinal, estaria roubando. Se bem que, não sei: o lixo da pessoa ainda é propriedade dela?
- Acho que não. Lixo é domínio público.
- Você tem razão. Através do lixo, o particular se torna público. O que sobra da nossa vida privada se integra com a sobra dos outros. O lixo é comunitário. É a nossa parte mais social. Será isso?
- Bom, aí você já está indo fundo demais no lixo. Acho que...
- Ontem, no seu lixo...
- O quê?
- Me enganei, ou eram cascas de camarão?
- Acertou. Comprei uns camarões graúdos e descasquei.
- Eu adoro camarão.
- Descasquei, mas ainda não comi. Quem sabe a gente pode...
- Jantar juntos?
- É.
- Não quero dar trabalho.
- Trabalho nenhum.
- Vai sujar a sua cozinha?
- Nada. Num instante se limpa tudo e põe os restos fora.
- No seu lixo ou no meu?»
2ª AULA:
Após a leitura coletiva, entregue aos alunos atividades referentes ao texto. Segue abaixo uma sugestão de atividade.
1) Preencha o quadro abaixo:
Título
Assunto
Personagens
Gênero textual
Autor
Fonte
PARA CONHECIMENTO DO PROFESSOR
Observação:
Gênero (textual, de texto, discursivo, do discurso)
Trata-se de textos orais ou escritos materializados em situações comunicativas recorrentes. Os gêneros textuais são os textos que encontramos em nossa vida diária com padrões sócio-comunicativos característicos definidos por sua composição, objetivos enunciativos e estilo concretamente  realizados por forças históricas, sociais, institucionais e tecnológicas. Os gêneros constituem uma listagem aberta, são entidades empíricas em situações comunicativas e se expressam em designações tais como: sermão, carta comercial, carta pessoal, romance, bilhete, reportagem jornalística, aula expositiva, notícia jornalística, horóscopo, receita culinária, bula de remédio, lista de compras, cardápio de restaurante, resenha, edital de concurso, piada, conversação espontânea, conferência, e-mail, b ate-papo por computador, aulas virtuais e assim por diante. Como tal, os gêneros são formas textuais escritas ou orais bastante estáveis, histórica e socialmente situadas.
Fonte: 
http://escrevendo.cenpec.org.br/ecf/index.php?option=com_content&task=view&id=181&Itemid=60
2) A crônica é um gênero textual que traz, explícita ou implicitamente, uma crítica a algum aspecto da vida em sociedade. Em relação à crônica “O lixo” , de Veríssimo, qual a crítica presente?
3) Onde aconteceu o primeiro encontro dos personagens?
4) No início do diálogo, os personagens se cumprimentam e, em seguida, iniciam uma conversa.
a) Qual é a forma de tratamento usada por eles?
b) Que palavra representa essa forma de tratamento?
5) A conversa entre os personagens continua. A senhora do 610 diz: “Me chame de você”.
a) Qual foi a mudança ocorrida quanto a forma de tratamento?
b) Qual a palavra que aponta para essa mudança?
c) Quanto ao uso do pronome “me” na frase acima, ele está de acordo com a variedade padrão ou não? Justifique sua resposta.
4) Qual a estratégia utilizada pela senhora do 610 para saber se o senhor do 612 tem família ou não?
5) Por meio dos objetos jogados no lixo pelos personagens podemos levantar hipóteses quanto à condição social deles. Qual é a condição social de cada um? Justifique sua resposta com elementos do texto.
6) Como o senhor do 612 descobriu que a senhora do 610 tinha parentes no Espírito Santo? Quem é o parente distante da senhora? O que mais ele descobriu sobre essa pessoa (parente)?
7) Em “Isso é incrível!! Como foi que você adivinhou?”, o elemento destacado retoma qual ideia?
8) De acordo com a crônica, os elementos abaixo fazem com que cada personagem chegue a uma conclusão. Aponte a conclusão a que cada um chegou a partir dos elementos:
a) telegrama amassado:
b) carteira de cigarro amassadas:
c) vidrinhos de comprimidos
d) buquê de flores:
e) palavras cruzadas:
f) fotografia:
9) Em “Você brigou com o namorado, certo?”, o senhor do 612 conclui que a senhora do 610 havia terminado com o namorado. Descreva os passos do raciocínio do homem para alcançar essa conclusão.
10) Toda a conversa revela um drama muito comum entre os habitantes das grandes cidades. Que drama é esse?
Avaliação
Produção textual
Releia o final da crônica “O lixo” de Veríssimo:
“- Acertou. Comprei uns camarões graúdos e descasquei.
- Eu adoro camarão.
- Descasquei, mas ainda não comi. Quem sabe a gente pode...
- Jantar juntos?
- É.
- Não quero dar trabalho.
- Trabalho nenhum.
- Vai sujar a sua cozinha?
- Nada. Num instante se limpa tudo e põe os restos fora.
- No seu lixo ou no meu?”

Escreva um pequeno diálogo dando continuidade deste encontro entre o senhor do 612 e a senhora do 610.


Preparado por: Valquiria Ferreira de Carvalho
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM
Texto “Pausa”
Tempo previsto: 10 aulas                     Público-alvo: 9º ano
Conteúdo temático
  • Definição e características do gênero conto;
  • Discurso direto e indireto;
  • Pontuação, ortografia e acentuação;
  • Foco narrativo e vocabulário;
  • Dados do autor;
  • Estudo do tema ( O porquê do título do texto)


Competências e Habilidades
  • Identificar o estudo do sentido produzido em um texto literário pela exploração de recursos ortográficos ou morfossintáticos;
  • Inferir o efeito de humor produzido em um texto pelo uso intencional de palavras, expressões ou imagens ambíguas.


Estratégias
  • Leitura silenciosa e oral;
  • Levantamento do conhecimento prévio do aluno com roteiro de questões;
  • Utilização de figuras para leitura de imagens: cansaço, nervoso, repouso, trabalho etc.
  • Dramatização;
  • Músicas: “Vamos fugir” de Gilberto Gil, ou “Sossego” de Tim Maia;
  • Pesquisa: Quais os tipos de problemas que nos levam à fuga da realidade;
  • Uso de dicionários para o enriquecimento do vocabulário;
  • Discussão em grupo sobre os problemas vivenciados em família e possíveis soluções.


Recursos
  • Cds
  • Imagens
  • Livro didático
  • Sala de leitura
  • Internet
  • Vídeos


Avaliação
  • Participação nas atividades individuais e em grupo;
  • Observação da entonação da leitura oral do aluno;
  • Pontualidade na entrega dos trabalhos;
  • Avaliação do questionário oral (roda de debate).
Preparado por: Susemeri Suma
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM
Texto: No aeroporto / Carlos Drummond de Andrade
Tempo previsto: 4 aulas         Série/Ano: 8ª. série / 9º. Ano
Objetivo: Reconhecer o gênero textual crônica e ampliar o vocabulário.
Conteúdo temático: inferência, intencionalidade, dicção e entonação.
Competências e habilidades: refletir sobre o uso da língua como instrumento essencial para a aprendizagem; reconhecer no texto indícios da intencionalidade do autor; identificar a finalidade de um texto, seu gênero e assunto principal; localizar e relacionar itens de informação explícita, distribuídos ao longo de um texto; confirmar ou retificar as antecipações ou expectativas de sentido criadas antes ou durante a leitura, esclarecimento de palavras desconhecidas a partir da inferência.
Estratégias:
Aula interativa com a participação dos alunos; roda de leitura e de conversa;

Antes da leitura levantamento do conhecimento prévio do aluno sobre o assunto, o veículo de comunicação, o gênero textual e o autor.

- Antecipação do título
Já foram em algum aeroporto?
Já viajaram de avião?
Sabem onde fica o aeroporto do Galeão?
Já ouviram falar de Carlos Drummond de Andrade?
Sabem o que é uma crônica?

Leitura do primeiro parágrafo e checagem de hipóteses;
Como será a aparência de Pedro?
O que vocês estão achando de Pedro?

Durante a leitura confirmação e retificação de antecipações e expectativas e construção do sentido global do texto.
O texto era o que vocês esperavam?
Vocês gostaram?

Recursos: Cópias impressas do texto e dicionário.
Avaliação: Avaliação crítica do texto a partir da oralidade, interação e participação nas leituras e rodas de conversa.

Elaborado por: Tânia Guidotti Canado

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Situações de Aprendizagem - Leitura

Situações de Aprendizagem - Leitura

Estamos elaborando uma apresentação com Situações de Aprendizagem focando a prática da leitura e contamos com a sua colaboração para ampliarmos a discussão.
Em breve!!!

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Fica a dica...
O site UOL disponibiliza a revisão dos livros de vestibular, a análise da obra, a biografia do autor e, ainda, um link para você testar seus conhecimentos com questões de múltiplas escolhas que possibilitam avaliar sua compreensão da obra.

Faça o teste!


Histórias de Leitura



Outra história

Pertenço à geração onde a maioria das crianças era alfabetizada na escola.  Os meus pais não tiveram a oportunidade de estudar. Sabiam ler e escrever porque estudaram até o 2º ano primário.
Morava em uma casa onde tinha a visão privilegiada da escola que ficava no final da rua. Sonhava com o primeiro dia de aula.
Conseguir decifrar as palavras com a cartilha “Caminho Suave” foi sonho realizado. Ter livros, naquela época, era supérfluo, porque ter o que comer possuir um único par sapato, o uniforme e o material escolar, era mais importante.
Fui ter o “meu” primeiro livro na conclusão 4ª série primária.  Prêmio pó ter conseguido a promoção para o antigo ginásio. Naquela época você não passava automaticamente para o Ensino Fundamental II. Os alunos tinham que efetuar um exame de admissão e, caso aprovados, poderiam matricular-se na 5ª série do Fundamental II.
A partir desta fase as portas para o “mundo da leitura” se abriram, pois descobri algo excepcional chamado: “biblioteca” que até então não conhecia.

Professora Valquíria Ferreira de Carvalho